O que fazer se a Palavra de Deus me irrita? - Altair Fonseca
Se a Palavra de Deus me irrita
Inspirações e conselhos

O que fazer se a Palavra de Deus me irrita?

Já percebi diversas vezes que algumas pessoas sentem-se confrontadas pela Palavra de Deus e acabam irritando-se contra os textos e contra o Senhor. Se a Palavra de Deus me irrita, preciso perceber de onde surge este conflito e em que área estou priorizando a aprovação das pessoas e ignorando as instruções do Senhor.

A Palavra de Deus me irrita?

Se a Palavra de Deus me irrita, preciso entender de onde vem essa irritação e descobriremos suas causas com um texto profundo de um monge beneditino. Leia, releia e medite sobre essas realidades na sua existência.

Se a Palavra de Deus me irrita
Se a Palavra de Deus me irrita

Anselm Grün, no livro A Oração Como Encontro, nos fala sobre o contato com as Sagradas Escrituras: “Trata-se de lutar com a Palavra de Deus. Se não a entendo, é porque eu mesmo não me entendo. Se a Palavra de Deus me irrita, é porque não me compreendo bem e porque me defino em relação aos homens e ao mundo e não em relação a Deus. A luta com a Palavra de Deus leva ao encontro com Deus e, portanto, a um novo encontro conosco mesmos e, de repente, compreendo a Deus e minha própria existência. Quando entendo a Palavra de Deus, me entendo a mim mesmo de outra maneira. Portanto, a Palavra de Deus não quer comunicar-nos alguma informação, mas uma compreensão nova acerca de nós mesmos. Compreender significa sempre fusão de horizontes: o horizonte de minha autocompreensão se funde com o horizonte da compreensão existencial do texto. Se entendo o texto, me entendo também a mim mesmo e minha vida de um novo modo; e, ao explicar o texto, participo do ser que se explica nele; portanto, participo da verdade e de Deus que resplandece em todo texto, com a verdade autêntica que resplandece por detrás de todas as coisas. Compreender sempre é encontro, encontro com o texto e comigo mesmo e, em ambos os casos, encontro com a verdade e, portanto, com Deus mesmo”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *